Páginas

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Bebês

Algum tempo atrás, tive uma vontade imensa de ter um filho (a). Não me importaria com o sexo dele. Apenas o queria para curtir a vida de mãe. E também para que quando ele tivesse minha idade, tivesse uma mãe gostosona (h) KKKKKKKK.
Ou poderia também adotar um bebê muito fofo, ou então também que alguém, por acaso, deixasse à minha porta um bebezinho muito lindo dos olhos azuis e bem gorduxo *o*
É muito gostoso curtir um neném. Eles são pequenas criaturas que, quando não estão chorando, encantam tudo e todos. É um mundo de gostosura! *o*
A risada então, nem se fala! Aquela gargalhada gostosa que te faz ter vontade de morder as bochechas, os dentinhos brotando, a mãozinha se fechando pequena ao redor do meu mindinho. Ai! Eu não aguento!
E quando ele cresce e se torna um capetinha, por volta dos 8 anos, que se você pegarem sua mão, olhar no fundo dos olhos e começar a imaginar coisas, ele vai entrar na sua e começar a imaginar um mundo maravilhoso e encantado que não existe onde tudo pode acontecer, dinossauros, aviões se chocando acima de sua cabeça, uma guerra civil no seu quintal, brinquedos que falam, coisas que viram outras coisas e etc.
Mas ao mesmo tempo não quero, porque ao dar à luz uma vida, estarei perdendo boa parte da minha, cuidando, alimentando e sendo mãe, num período (longuíssimo) que eu poderia estar estudando e curtindo a flor de minha juventude. Aí, quando contei sobre tudo isso a minha mãe ela quase rodou a mão na minha cara e, saindo do quarto, disse que sou insana. É.

Nenhum comentário: