Páginas

terça-feira, 3 de maio de 2011

Aprendi na madrugada I

Cheguei um pouco tarde em casa da rua e vi meu pai e minha cunhada sentados à mesa conversando e tomando vinho. Sentei, peguei um copo de vinho e me juntei a eles na conversa. Depois de algum tempo sobraram somente meu pai e eu e logo vi que aquela conversa ia me custar alguns sermões, mas percebi que papai bêbado é um cara inteligente tanto quanto sóbrio e tomei uma dose de paciência a mais.

A conversa durou horas e horas a fio, falamos sobre a igreja, sobre a política e sobre o mundo, sobre as sujeiras do mundo, falamos sobre confiança e sobre princípios, estabelecemos regras e acordos. E em um certo momento, findada a conversa vou escovar os dentes, pensei. Mas ao banheiro lembrei de alguns tópicos a serem comentados ainda.

Sobre mim.

Falei sobre como sou, como ele me vê e como eu sei que posso ser - no futuro, após provar um pouco da sujeira que é o mundo fora do quintal da minha casa. Sei o que há para lá, mas com a convivência pai-policial para comigo durante todos esses anos sei que tenho um crédito a mais nesse quesito. Sou influenciável, estou na idade!, mas não quer dizer que seja boba, as mulheres têm o controle da situação, na maioria das vezes, podem escolher sentir ou não.

E chegou um certo ponto na prosa que cheguei a duvidar de todo aquele crédito que eu tinha dado a mim mesma. Dúvidas surgiram, brotaram das paredes e dos copos vazios sob a mesa, e então pensei se eu era tudo aquilo, se eu devia mudar em alguma coisa. E ele me pega desprevenida, dizendo:

- Deixa eu te falar, olha para mim. Filha, eu te amo, você não tem que mudar, e tenha absoluta certeza, de que nada do que eu faço é para te prejudicar. Os pais que amam os filhos têm essa mania de controlar e proteger, mas é sempre para o bem, nunca é por birra ou por pirraça. E muitas vezes que eu sou ignorante e te dou uma resposta que poderia ser mais leve, eu me arrependo. E por que? Porque eu te amo! E sabe o que é isso? Dignidade. Foi assim que meu pai me criou, foi assim que sua mãe foi criada, e é assim que te criamos. Quero que você saiba que isso é o que importa, a dignidade, você ser essa filha maravilhosa que é e não ter medo de se arrepender, de cometer erros e de repará-los. Se algum dia (se Deus quiser) eu possa ver vocês quatro formados ou num bom emprego, me sentirei realizado e não terei mais nada a reclamar, o que mais eu poderia pedir? Minha função estará cumprida. 

E após um momento como esse o que me restou foi contornar a mesa a seu encontro num choroso abraço.

- É pai, você é daqueles bêbados chorões!

E o que aprendi nesta madrugada foi que eu encontrarei muitos, mas muitos mesmo, obstáculos na vida, porque ela é uma estrada esburacada e só sai dela com os pneus bons quem sabe contornar cada panela no caminho. Não devo mudar, se sou chata ou se sou carismática somente a vida poderá me dizer, fui tanto tempo de minha vida desse mesmo jeito que nada agora pode me dizer "você é ruim, você tem que mudar, você tem que melhorar". Pois aprendam a lidar comigo, porque tenho potencial para muito mais e não vou me importar em tirar algumas pedras do sapato. É isso aí. Desabafei.