Páginas

sábado, 7 de abril de 2012

O desconhecido esperado

Não, por favor, seja gentil, prometa ser gentil.
Ela esperava que fosse quente e devagar. Era tão ansiado, sonhara inúmeras vezes durante noites a fio com aquilo e perdera tantas outras imaginando como seria.
Ela era nova e inexperiente, tudo o que sabia havia sido dito por alguém ou visto em algum filme - não que ela buscasse na experiência dos outros sua própria aprendizagem. Não sobre isso - era uma boa ouvinte e procurava aprender sobre a vida com os ensinamentos alheios - até porque varia de pessoa para pessoa. Ela queria que fosse especial, único!
Embebia-se de suas juras de amor e, nesse compasso iam se ritmando à musica, passo a passo, à medida que as batidas faziam o movimento. Temia, tadinha, temia fazer coisas erradas, morder, beliscar, e não se adaptar, mas mal sabia ela que na vida é assim, sempre sempre e sempre será diferente - a estrutura pode até ser mesma, mas como as pessoas são diferentes, os detalhes e circunferências de seus atos são diferentes também.
Não há como seguir um padrão, há apenas como sabê-lo. O legal é inovar, inventar brincadeiras e jogos, diga-se joguinhos. "O refrão só faz sentido no mundo da cama." Não há mal molhar-se pela chuva, o sol vinha logo em seguida, era apenas uma chuva rala para afastar o calor do ambiente. Veio, deixou o cheiro de vigor na sala e foi embora.

Um comentário:

Índia disse...

Algumas coisas eu aprendi que só o tempo + experiência nos "treinam" em muitos aspectos da vida. E essa é a graça. Inovar, palavra de ouro.