Páginas

domingo, 24 de junho de 2012

Uma coisa estranha qualquer

 O que eu estou fazendo?
Estou exatamente à 1:38 a.m. lendo história em quadrinho totalmente sozinha num apartamento agora enorme devido às circunstâncias no país desconhecido e blá blá blá. É cansativo ficar escrevendo blá blá blá.
Eu não sei o que será este post, mas, quer saber, não ligo a mínima.
Os mais chegados dos meus amigos (do dia-a-dia) já voltaram ao Brasil (pátria agora mais amada) e eu continuo aqui sem nem saber se há vagas no ônibus disponíveis.
Sabe uma coisa que lamento (totalmente fora de contexto)? Acho que perdi o "q" para escrever. Há um tempo andei olhando meus posts antigos e parecem vindos de outra pessoa.
Voltando à minha atual situação: Gooooooooooooooooood! Tenho prova de inglês segunda. Ando gastando meu precioso tempo assistindo séries de TV (engraçado percebi que ninguém escreve tevê ou Nova Iorque). 
Solanna - Dummer realmente mexe comigo.
Ao que me parece este post é um monte de assuntos batidos ni liquidificador. Falar "likidificador" deve ser mais legal, digo o mesmo quanto à "cabelerero". (vários risos.)
Txurururú 
Esqueci o que ia falar.
Las personas de la calle me dijeron que pollo no se ve bien, que no hace bien.
A primeira coisa que deveria recomendar comer ao chegar na Bolívia é pollo (frango), mas já não aprecio mais devido algumas coisas que fiquei sabendo. Então se por acaso vier a Santa Cruz de la Sierra, vá à Fredolin e peça o bolo (torta, como é aqui chamado) Rosa Negra. Deve-se ser lido com r de meio de palavras, tipo coração, "rôsa nêgra". É chistoso!

Voltando à minha situação:
Hoje (sábado ainda, por favor!) soma-se dois dias de solidão na casa. Excepto pela visita acompanhada de regalitos de um amigo meu. Hm, mencionando-o novamente no blog. Awkward. 
Lembrei-me do que havia esquecido: gosto do blog não ser famoso. É como uma forma de ter refúgio. Sou o lobo solitário ainda. É bom ter algo privado. Mesmo que sujeito à quebra desta mesma ou seja lá o que for quando alguém ver o que se passa por aqui. Sem adjetivos para descrever tal situação.
Sinto  falta de filosofia, mas O Mundo de Sofia torna-se entediante às vezes. E sim, esta é minha única conexão (eu desaprendi escrever português. Tentei escrever conexão 3 e 4 vezes.) com a filosofia.
Devaneio.
Devaneios.
DEVANEIOS.
Tortos a me torturar.
TORTOS? Tolos!
Meros.
Esmeros.
Distinto, não? Despeço-me sem ao menos uma despedida razoável porque passei a procurar uma nova voz para a música abaixo, mas Zé e Elba definitivamente é a melhor escolha para mim. E com ela deleito-me ao bom som e adormeço. Minto. Mas não há o que temer com essa mentira.

Um comentário:

Índia disse...

Textos assim eu gosto, faz tempo que não paro pra escrever sem saber exatamente o que quero escrever.