Páginas

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Títulos, nomes e outras idiotices.

Acho hipocrisia não poder chamar as pessoas como são. Eu me ofenderia ao ser chamada de afrodescendente. Queria eu ser preta para poder me deleitar com a música do Seu Jorge. Oh, Aurores!
Uma coisa que gostei em Harry Potter foi quando Minerva, Dumbledore e Harry em momentos distintos dizem que devem chamar Você Sabe Quem pelo nome, Voldemort, porque é quem ele é.
Gosto quando me chamam de pequena porque é quem sou, sou Gabriela, carinhosamente chamada por meus queridos de pequena.
Isso tanto serve para pessoas que não são consideradas como o "padrão" como para aquelas que fogem dele. Quando estava no primeiro ano do ensino médio dizia que queria ser profissional não apenas para receber meu salário, mas sim para fazer a diferença no mundo. Pensava "Eu tenho que deixar minha marca aqui, não posso ter nascido em vão!"
Enquanto vou à busca do verdadeiro eu, tecendo ao longo da jornada quem o verdadeiro eu sou, lido com os títulos que uns colocam em outros. Sabe de uma coisa que não gosto? Colocar na web meu relacionamento. Acho que se as pessoas se importam comigo não precisam me stalkear* ou ficar lendo meus tweets. Acho mais importante dizer juras de amor aos olhos do amado que publicando no mural, ou nas inúmeras/melosas/repetitivas fotos no álbum do "Namorado <3".
"Quantas curtidas esta princesa merece?" - foto de menina com deficiência. Isso me enoja! Então quer dizer que só porque ela é deficiente deve-se curtir? Essa mania de mandar os outros fazerem coisas porque é politicamente correto, mesmo que sem o intuito disso, chega a me irritar. Aposto que a foto sem legenda nenhuma arrancaria mais sorrisos pela boa disposição de vida da menina que apelando à chantagem emocional.
Ao invés de demostrar ao "mundo" como é bom e correto curtindo e compartilhando fotos e status, seria interessante fazer uma visita ao lar dos idosos ou de abrigos para menores e etc. Dar atenção é melhor e mais proveitoso que clicar na internet.

*Stalker é aquele que vive lendo/vendo/sabendo o que a outra pessoa faz, é o verdadeiro desocupado - de acordo com integrantes do Twitter. 

2 comentários:

Anônimo disse...

Concordo, hahaha

Índia disse...

Incrível como a internet revela o quanto o ser humano pode ser patético, tudo bem que podemos ser um pouco de vez em quando, mas fazer disso uma rotina é TENSO. Essas apelações também em embrulham o estômago, bem como as declarações públicas...