Páginas

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

O que começa, mas termina pela metade.

Sei que não deveria estar fazendo ou pensando nisso, mas o pensamento é mais forte que eu - a ideia do pensamento é mais forte -.
Estou sozinha e só, aos arredores ligeiramente ocupada e acompanhada por meu celular que gosta mais do chão do que de mim. As pessoas que me fazem companhia já não são presentes, mas sim virtuais, um paradoxo irritante que me acompanha a vida.
Pensamentos e pensamentos e ideias e vontades e coisas e tais.
Tudo é um constante desenvolvimento, porque já não há mudança. A raça humana se desenvolve e já não é igual ao século passado; as pessoas eram bonitas de uma forma, mas hoje é de outra; a sociedade, por outro lado, permanece imuta, com as mesmas crenças (estúpidas!) e protocolos de formas de agir.
Eu me pego sorrindo respondendo uma mensagem de celular ou apenas pensando, mas é frequente.
E AGORA?

Um comentário:

Índia disse...

Boa pergunta: E AGORA?