Páginas

sábado, 18 de agosto de 2012

RESSALVA À POSTAGEM SOBRE MAMÃE

Eu sei que sou injusta e, apesar de às vezes ser compreensiva e tentar não forçar uma situação, quando quero uma coisa passo por cima do que está à minha frente, até mesmo de meu respeito por meus pais.
Eu não digo que os desrespeito, não, isso não, o que faço é ludibriar as leis e regras que impuseram sobre a casa e a família e dou um jeito de, por meio de argumentos significativos, fazê-los mudar de ideia.

Minhas características (adjetivos) são bem controversos às vezes. Posso ser compreensiva e injusta ao mesmo tempo (como já citado), sou meiga e dou patadas e falo palavrões. MINHA MÃE MERECIA A BOLSA AGUENTE-A-GABI (risos). Eu sou um ser difícil de lidar. Há dias que tiro meu tempo livre para, enquanto ajudo mamãe com os afazeres domésticos (por que "afazeres" o "a" é de preposição?), ficar perturbando-a. Ela da risada, faz drama e entra na brincadeira.

A minha é ótima! Tem lá seus defeitos, qualidades, manias e manhas. Mas faz das tripas coração para nos ver feliz. Enfim, é exatamente aquilo que todos os pais dizem:
- Nós só queremos o melhor para vocês.

Eu só queria vir aqui dizer algumas coisas sobre ela porque já usei este mesmo meio para criticá-la.
Já engoli meu "orgulho" e pedi desculpas, só me restava retratar aqui.

Um comentário:

Índia disse...

Mães já passaram por tudo o que passamos. Já tiverem anseios, embora não os mesmos dada a época em que viveram, e no fundo, como você mesmo citou, só querem nos ver bem, felizes. A minha já deixou esse mundo. Sinto muito a falta de um colo, sinto a falta de usar a palavra "MÃE".